Pai Natal e suas Renas

Letras de canções de Natal


Os Pais Natais (de Sérgio Godinho)

Já que é já Natal
se um Pai Natal houver
mais que dois ou três
então à vez
podemos ser
sei lá
o Pai Natal sempre de alguém
de quem não tem direito ao seu presente
resplandecente

Olha um Pai Natal
mais um Pai Natal
outro Pai Natal
Olha um Pai Natal
mais um Pai Natal
outro Pai Natal
Eu vou ser Pai Natal
eu vou ser Pai Natal
já fui Pai Natal
Natal, Natal, Natal, Natal

A Todos Um Bom Natal

Refrão:
A todos um Bom Natal
A todos um Bom Natal
Que seja um Bom Natal, para todos vós
Que seja um Bom Natal, para todos vós

No Natal pela manhã
Ouvem-se os sinos tocar
E há uma grande alegria, no ar

Refrão

Nesta manhã de Natal
Há em todos os países
Muitos milhões de meninos, felizes

Refrão

Vão aos saltos pela casa
Descalças ou com chinelos
Procurar suas prendas, tão belas

Refrão

Depois há danças de roda
As crianças dão as mãos
No Natal todos se sentem irmãos

Refrão

Se isto fosse verdade
Para todos os Meninos
Era bom ouvir os sinos tocar.

Refrão

Noite Feliz

Noite feliz, Noite feliz,
O Senhor, Deus de amor,
Pobrezinho nasceu em Belém.
Eis na lapa Jesus nosso bem.
Dorme em paz. O Jesus.
Dorme em paz. O Jesus.
Noite de paz, noite de amor.
Tudo dorme em redor.
Entre os astros que espargem a luz
Indicando o Menino Jesus.
Brilha a estrela da paz.
Brilha a estrela da paz.

Pinheirinho

Refrão:
Pinheirinho, pinheirinho
de ramos verdinhos,
Pra enfeitar
Pra enfeitar
Bolas bonequinhos

Um bola aqui
Outra acolá
Luzinhas que brilham
que lindo que está

Refrão

Olha o Pai Natal
De barbas branquinhas
Traz um saco cheio
De lindas prendinhas

Natal

É Natal, é Natal
Tudo bate o pé
Vamos pôr o sapatinho
Lá na chaminé
Olha o Pai Natal, de barbas branquinhas
Traz o saco cheio de lindas prendinhas

Pai Natal
Irá trazer
Brinquedos para nós
Para a Zeca uma boneca
Para o Zito um apito
Uma bola para saltar
É o que quer o Baltazar.

Natal dos Simples (de Zeca Afonso)

Vamos cantar as janeiras
Vamos cantar as janeiras
Por esses quintais adentro vamos
Às raparigas solteiras

Vamos cantar orvalhadas
Vamos cantar orvalhadas
Por esses quintais adentro vamos
Às raparigas casadas

Vira o vento e muda a sorte
Vira o vento e muda a sorte
Por aqueles olivais perdidos
Foi-se embora o vento norte

Muita neve cai na serra
Muita neve cai na serra
Só se lembra dos caminhos velhos
Quem tem saudades da terra

Quem tem a candeia acesa
Quem tem a candeia acesa
Rabanadas pão e vinho novo
Matava a fome à pobreza

Já nos cansa esta lonjura
Já nos cansa esta lonjura
Só se lembra dos caminhos velhos
Quem anda à noite à ventura

Olhei Para o Céu

Eu hei-de dar ao Menino
Uma fitinha pró chapéu
E ele também me há-de dar
Um lugarzinho no céu

Olhei para o céu
Estava estrelado
Vi o Deus Menino
Em palhas deitado
Em palhas deitado
Em palhas estendido
Filho duma rosa
Dum cravo nascido

Sapatinho de Natal

Deixei o sapatinho
Na janela do quintal.
O Pai Natal deixou
Meu presente de Natal.
Como é que o Pai Natal
Não se esquece de ninguém?!
Seja rico ou seja pobre,
O velhinho sempre vem.
Seja rico ou seja pobre,
O velhinho sempre vem.